28 de mai de 2008

Concurso TramaVirtual / Peligro vai levar sua banda para tocar no Milo Garage



Com mais de três anos de história, a festa da Peligro, no Milo Garage é referência de bons sons na noite paulistana. Ao longo deste período, nomes importantes da cena independente tocaram por lá, como Cansei de Ser Sexy, Cidadão Instigado, Artificial, Mzuri Sana, Macaco Bong e Mamelo Sound System. Outros, futuros hypes, escolheram a festa para fazer sua estréia nos palcos - apesar do clubinho não contar com palco. Entre eles, Mallu Magalhães, Debate e Bonde do Rolê. Além disso, a garagem já abrigou festas lendárias, com discotecagens internacionais de gente como Diplo - em sua primeira apresentação no Brasil - e Radioclit, e presença de figuras ilustres como John McRea (Cake), Damo Suzuki (Can), Kieran Hebden (Four Tet), o fotógrafo Bob Gruen, e um verdadeiro quem é quem entre os formadores de opinião quando o assunto é música. Agora, celebrando os quatro anos da distribuidora Peligro, organizadora da noite, chegou a hora da sua banda participar da festa. E o melhor, como atração principal. Em parceria com a TramaVirtual, a Peligro vai escolher, através deste concurso, as cinco bandas que tocarão na festa em julho. Saiba como participar.
CALENDÁRIO
- 25/05/2008 a 06/06/2008 – inscrições
- 13/06/2008 – divulgação dos finalistas
- 13/06/2008 a 20/06/2008 – votação popular

- 23/06/2008 – divulgação das bandas vencedoras

Fonte: Tramavirtual
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Encontro X - Rock, Skate, Roller, Bikes, Teatro, etc.

VILHENA ROCK & POSSA SKATE

Com o objetivo de reunir jovens dos mais diversos meios esportivos e culturais será realizado em Vilhena o Encontro X (nome provisório – ou não). De início está marcada para este sábado (31/05) uma reunião que será feita no Coreto da Praça Padre Ângelo Spadari, a partir das 18:30 h, para se debater o dia e o local do Encontro X, além das atividades que serão realizadas durante o evento.

A idéia do Encontro X surgiu de uma conversa – via MSN – entre Jhon (do Possa Skate) e eu (Vilhena Rock), na qual falávamos sobre a mobilização da juventude aqui em Vilhena, onde se ouve muito falar em protesto (que não fazem), mas existe pouca ação real. Durante a conversa surgiu a idéia de um evento que reunisse bandas de rock e os skatistas da cidade, mas com o andar da prosa concordamos em convidar representantes de outros esportes radicais e outros setores culturais – pelo menos agentes culturais ligados a teatro aqui foram convidados.

Juntando essa galera poderemos debater sobre as melhorias para que a praça Padre Ângelo Spadari se torne ponto de encontro dos atletas de esportes radicais, além de ponto cultural, devido ao espaço físico que a praça tem.

De qualquer forma o convite é para todos os interessados em realizar uma atividade que envolva esporte, cultura e consciência coletiva.

Compareçam.


por:
João Carlos Regert Neto – “Nettü Regert”
baixista da banda ENMOU, coletivo Vilhena Rock e pai nas horas vagas.

21 de mai de 2008

RESSACA DO CASARÃO ADIADA . . . PORÉM . . .


Realmente não é mito. O Festival Casarão Ano IX fez tanto sucesso que vai repetir a dose. No mês de julho, mais precisamente no dia 05 de julho, no Kabanas, vai rolar a Ressaca do Casarão. As bandas da capital Hey Hey Hey, Estroina, Miss Jane, Kid Ventura e New Change estarão se apresentando na Ressaca. A famosa banda de rock Raimundos (DF), fará o encerramento.O ingresso custa 15 reais mais um quilo de alimento não perecível e um dos parceiros do evento é a cerveja Sol

Os Raimundos

A banda Raimundo já fez muito sucesso com a molecada, na época do vocalista Rodolfo. Vizinhos em um bairro nobre de Brasília, Rodolfo e Digão se conheceram e começaram a tocar juntos, isso em 87. Por muito tempo tocaram covers de suas bandas favoritas, entre elas Dead Kennedys, Suicidal Tendencies, e, é claro, Ramones. E nas brincadeiras, Rodolfo começou a fazer versões punks para músicas do sanfoneiro Zenilton, o único que ele gostava por causa da sacanagem nas letras. E foi dessa brincadeira que surgiu o Raimundos.Para completar a banda chamaram o Canisso e mais o amigo Titi, e com essa formação - Rodolfo na guitarra, Digão na bateria, Canisso no baixo e Titi nos vocais - ele fizeram o primeiro show na casa do amigo Gabriel (atualmente no Autoramas), durante o reveillon de 88. Mas a formação durou somente um show, e a banda seguiu como um trio, com o Rodolfo assumindo os vocais.Seguindo com apresentações fazendo covers, a banda durou até 90, quando se separaram após uma tentativa fracassada de partir para um estilo diferente - fazer heavy metal, como estava na moda naquela época. E em 92 surge um convite de um desavisado produtor, e a banda resolve retornar, mas na época Digão já tinha abandonado a bateria por causa de problemas de audição, partindo para a guitarra. Sem um baterista, apelaram para uma bateria eletrônica e o resultado foi desastroso. E na busca de um quarto componente, Fred se encaixou perfeitamente além de se revelar uma pessoa bem disposta a levar à banda a outros rumos.Em 93 já gravavam a primeira demo, que foi um sucesso no público underground e garantiu à banda inclusive participações em programas na MTV.Já em 94 assinavam contrato com o recém-lançado selo Banguela, do produtor Carlos Miranda junto com o Titãs. Lançaram pelo selo o histórico primeiro álbum, "Raimundos", que trazia a mistura característica da banda: forró com hardcore, além de outros ritmos.Fizeram um sucesso considerável e ganharam as rádios com a inusitada "Selim", música que sequer foi escolhida para ser de trabalho, mas que por causa do público foi parar nos primeiros lugares das paradas das rádios brasileiras. Receberam disco de ouro - o que, apesar de todo o otimismo em cima do trabalho da banda, foi uma grande surpresa por ser um disco de rock pesado e conter muitos palavrões - e assinaram contrato com a gravadora WEA, que fazia a distribuição dos álbuns lançados pelo Banguela.Mas o fato mais triste da carreira da banda até então marcou o início da turnê do "Lapadas do Povo", quando uma fatalidade causou a morte de 8 fãs após um show em Santos. O fato abalou profundamente o grupo, que cancelou as datas já marcadas e só retornariam aos palcos dois meses depois. Veio então o quinto álbum, "Só no Forevis", lançado em 99, a primeira música a ser composta, "A Mais Pedida", já trazia em sua letra uma certa acidez ao criticar a censura nos shows da banda e o espaço nas rádios tomado por outros ritmos, como o pagode. A própria capa do disco baseou-se nisso também, uma brincadeira com pagodeiros e com a proliferação desenfreada de grupos desse ritmo.A faixa "Mulher de Fases" estourou nas rádios e na MTV (onde a banda ganhou o principal prêmio do ano, a "Escolha da Audiência" no VMB 1999), levando a banda a vários programas de TV além de conquistarem o disco de platina, superando 500 mil cópias vendidas. É claro que as outras músicas de trabalho do álbum - na seqüência: "A Mais Pedida", "Me Lambe", "Pom Pem" e "Aquela" - contribuíram para que o "Só no Forevis" se firmasse como o maior sucesso da banda até então. A turnê avassaladora com a maioria dos shows lotados confirmou o que banda e fãs já sabiam: estava na hora do disco ao vivo. Mas antes, a banda recebeu dois convites de "responsa". O primeiro foi uma abertura encomendada para um novo programa que a MTV estaria lançando, batizado de "20 e Poucos Anos" e que a música-tema seria uma famosa canção de mesmo nome, de um cantor com estilo um tanto diferente da banda - Fábio Jr. De início a banda achou um tanto estranho, mas após ouvir a música e transformá-la radicalmente em um hardcore bem ao seu estilo, o resultado foi excepcional. O segundo convite e mais inusitado ainda foi a escolha da banda, entre uma pesquisa feita pela gravadora Roadrunner, para representar o Brasil na versão nacional da trilha sonora do filme "Missão Impossível 2". A banda deveria compor e gravar uma música em poucos dias, que passaria por uma aprovação do produtor do filme - ninguém menos que o próprio Tom Cruise. Aproveitaram o tema característico do seriado e mandaram ver uma porrada na orelha, a faixa "Give My Bullet Back", cantada em inglês e provavelmente uma das músicas mais pesadas do grupo, só encontrada na trilha sonora do filme (edição nacional). Deixaram muita banda gringa da trilha sonora no chinelo.Lançado no final de outubro de 2000, o álbum "MTV ao Vivo Raimundos" foi bem recebido pelo público - os fãs mais antigos puderam finalmente ter o registro deste que é considerado há anos um dos melhores shows de rock do Brasil, e os novos fãs puderam conhecer a trajetória da banda desde o álbum de estréia - e emplacou três músicas de trabalho: "Deixa Eu Falar", "20 e Poucos Anos" e "Reggae do Manêro". O álbum também já ultrapassou as 500 mil cópias e em breve o show será lançado em DVD. No momento a banda já pensa nos preparativos para o próximo álbum de estúdio, que deve começar a ser feito em julho, com previsão de lançamento para o fim do ano.

Release da banda e foto: http://www.bandaraimundos.hpg.com.br/
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------

50 anos de radialista


Valdemar Camata, este é o nome do radialista que completou no final de abril 50 anos trabalhando em rádio. Capixaba, nascido em 22 de junho de 1944, Valdemar Camata deixou o internato Marista onde viveu até seus 14 anos e retornou aos estudos na cidade de Colatina, onde seu irmão Gerson Camata, hoje senador, já trabalhava como radialista na Rádio Difusora de Colatina.Seu primeiro emprego foi de operador de rádio. Sua primeira grande experiência aconteceu durante a renúncia do Presidente Jânio Quadros, ao noticiar em primeira mão a renúncia de Jânio, foi demitido como irresponsável, pois o dono da rádio não havia acreditado na noticia que logo foi confirmada através do programa A Voz do Brasil, retornando ao seu emprego.Em 1979, Camata chegou a Rondônia, e logo iniciou o programa Patrulha da Cidade, na Rádio Alvorada, que pontuava os maiores ibopes da rádio difusão do interior de Rondônia. De lá pra cá nunca mais parou, hoje, seu programa de notícias, O Trabuco, já está no ar há 12 anos na Rádio Itapirema das 6h 30 as 8h.Camata falou sobre a importância de ser radialista, do poder do rádio que transmite as noticias instantaneamente “Nenhum meio de comunicação chega à casa do cidadão, pelo custo que o rádio chega. É o instantâneo, o rádio está em qualquer lugar, é simples é o mais barato meio de comunicação”, disse.O radialista ainda falou de sua satisfação em completar meio século de radio. “É muito raro atingir este patamar, raríssimas pessoas conseguem chegar a tantos anos de profissão. Espero que ainda possua saúde para quem sabe chegar aos 60 anos de radialista, finalizou com orgulho.

POST de hj por: Mariana Paio
Editora chefe do Correrio Popular
http://alamaryjanne.blogspot.com/

15 de mai de 2008

NEÓFYTOS: o peso do interior


Banda de Ji-Paraná formada em 2004, com influência de Sepultura, Metallica, Trivium, Pantera, entre outras, intitulam-se uma banda de Merd METAL, sempre no tom extrovertido dos seus integrantes.
A banda passou por varias formações, mas sem dúvida essa é a que mais tem se destacado, o som é pesado e difícil de digerir, porém muito bem tocado aliado a uma presença de palco empolgante arrebatando fãs por onde passam, se mostrando uma das bandas de Jipa mais preparadas.
A banda já apresentou em festivais importantes em Jipa e RO, como Rock in Jipa, Rock na Praça, Grito Rock Jipa 2008, Metal Jipa entre outros , e recentemente a banda se apresentou no Grito Rock 2008 na capital Pvh, onde recebeu elogios tanto em resenhas quanto do público presente.
“A banda Neófytos sente-se privilegiada em trazer para o interior do estado , um novo conceito de estilo e idéia!”, além de uma banda expressiva na cena Jiparanaense, são forte atuantes da cena alternativa de Jipa, tendo no seu guitarrista Roni e no baixista Gustavo duas peças importantes na solidificação da cena.
Como amigo e fã posso dizer que a Neófytos não agrada a todos, e nem tem esse objetivo, mas faz um trabalho bem feito e bem fundado dentro da sua proposta, estado ao lado da Coveiros de Pvh uma das poucas bandas pesadas e com qualidade no estado.

A formação atual da banda é:
Pablo(Vocal)
Roni(Guitarra e vocal)
Gustavo(Baixo e vocal)
Eder(Bateria)

Comunidade da banda no orkut:
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=43389370

Escute Neófytos:
http://www.neofytos.palcomp3.com.br


Raphael Amorim é

Vocalista e guitarrista da banda Di marco

raphamorim_dimarco@hotmail.com
-----------------------------------------------------------------------------------

Festival Demosul 2008 abre inscrições


Estão abertas as inscrições para a edição 2008 de um dos maiores festivais realizados no sul do Brasil. De 15 de maio a 15 de julho, o Festival Demo Sul receberá material de bandas e artistas independentes. Assim como nos anos anteriores, não haverá restrições quanto à localidade, gênero musical ou número de integrantes das bandas inscritas. Os critérios básicos de seleção são: o nível de participação, regional ou nacional, em manifestações culturais de caráter independente e a coerência da proposta musical, analisada de acordo com o contexto no qual o artista está inserido. A organização também leva em consideração a qualidade de produção do material enviado (cd, release e fotografia), mas isso não é um fator decisivo para a escolha.


Além da seleção feita pela audição, serão realizadas seletivas ao vivo fora de Londrina para escolher representantes de algumas cidades, como Curitiba, por exemplo. Para se inscrever, o artista interessado deve enviar, dentro do período de postagem das inscrições, um kit com a gravação da banda (cd ou dvd) e um cd que contenha o release, pelo menos uma fotografia em alta resolução, mapa de palco e as demais informações que a banda julgar necessárias. A organização exige que todo o material esteja devidamente identificado.


O endereço para o envio é:


BRAÇO DIREITO PRODUÇÕES

Rua Xingu, nº 136 – Vila Nova

Cep. 86025-390

Londrina – Paraná – Brasil


da redação da Braço Direito
-----------------------------------------------------------------------------------


FESTCINE AMAZÔNIA



Um evento que tem como objetivo divulgar, integrar e promover discussões em torno da produção de cinema e vídeos nacionais e internacionais, que tenham como temática o meio ambiente. O Festival acontece uma vez por ano, em Porto Velho - RO, em novembro.Sua primeira edição foi em 2003, Superando todas as expectativas.A adesão do público foi tão grande que as salas de exibição tradicionais foram pequenas.Hoje, o festival adquiriu um forma itinerante.Acontece, simultaneamente, em espaços tradicionais e em espaço alternativos:
Cinema no Circo, Cinema no Terreiro e Cinema nos Bairros.
O Festcine Amazônia exibe e pensa no meio ambiente, um espaço de várias cenas e um objetivo comum: colocar a arte e a técnica da sétima arte a serviço da preservação da natureza e da sustentabilidade da vida no planeta. O MAPINGUARI é um animal do imaginário dos povos da Amazônia uma mistura de um homem com um grande macaco com pêlos em todo o corpo, tem um único olho no centro do rosto e uma grande boca na barriga.Contam histórias aterrorizadoras do grande monstro da floresta.Símbolo lúdico da defesa da floresta, o Mapinguari é o troféu do Festcine Amazônia.Prêmio cada vez mais disputado pelos que fazem da sétima arte um manifesto em defesa da preservação da natureza.


PROGRAMAÇÃO DO FESTIVAL


Mostra Competitiva – filmes e vídeos selecionados de todo país, por comissão de renomados jurados atuantes no cinema brasileiro e que concorrem ao Troféu Mapinguari;


Mostra de Filmes Convidados – são produções cinematográficas de grande importância para o cinema nacional e mundial focados nas temáticas anuais do Festival;


Mostra Paralela – exibição de todos os trabalhos enviados para o FESTCINE AMAZÔNIA;


Cinema no Circo – sessões realizadas dentro de tenda de circo, com sessões intercaladas com apresentações circenses;


A Escola Vai ao Cinema – oportunidade em que as escolas da rede publica do ensino fundamental e médio assistem aos vídeos e filmes do FESTCINE AMAZÔNIA em salas de cinema;


Cinema nos Bairros – visando a popularização do cinema e estimulando e valorizando a produção local de trabalhos, o FESTCINE AMAZÔNIA realiza sessões em 04 bairros distintos da capital;


Cinema nos Terreiros – pensando na diversidade cultural existente o FESTCINE AMAZÔNIA promove sessões em terreiros de camdomblé e umbanda da cidade;


Mesa Redonda e Debates – espaço dedicado aos estudantes e universitários, intelectuais e profissionais do cinema, onde ocorrem discussões e reflexões sobre temáticas de interesse geral;


Oficinas de Direção e Produção de Vídeos – ocorrem durante todos os dias de evento voltados para profissionais da área e estudantes de comunicação em parceria com a Secretaria de AudioVisual do Ministério da Cultura – CTAV, Anima Mundi e IBM.


Cinema no Beiradão – visando levar a sétima arte para populações tradicionais e ribeirinhas que vivem ás margens dos rios Amazônicos e que nunca tiveram acesso a uma sala de cinema, assim é que o Festival é realizado junto ao Beiradão, expressão essa utilizada nessa região que designa as comunidades que vivem junto aos rios.


Mostra Arco Iris - realizada com o obetivo de levar ao público em geral discussões através da sétima arte sobre diversidade sexual, especialmente, num momento que se discute a homofobia nos mais diversos locais do país. Tolerância e Respeito.



FESTCINE AMAZÔNIA

Rua: Paraguai, 320

Morada do Sol 2

Bairro Embratel

CEP: 78900-970

Porto Velho – RO - Brasil
INFORMAÇÕES:55 69 - 3225 9739

13 de mai de 2008

PAIXÃO PELA ADRENALINA


Todos nós temos uma “paixão” seja ela um namorado, um cachorro, um papagaio, bandas favoritas,
ate mesmo aquele time do coração, uns são Flamenguistas outros Vascaínos ....todos temos uma paixão,
e o meu é o IN LINE que para alguns não é nada, para outros, um simples esporte, para alguns, é moda,
para outros perca de tempo, para alguns é coisa de vagabundo, para outros falta do que fazer, para alguns
é perigo constante, para outros um objeto qualquer...
Mas para vocês que pensam assim, eu digo o que "Ele" é pra mim...
In line é amigo, companheiro!
In line é arte, aventura, adrenalina!
In line é profissão, amor, paixão!
In line é cultura, consciência, imaginação!
In line é alegria, conquistas, admiração!
In line e é estilo de vida, felicidade e muita diversão!
E mesmo não tendo apoio da Prefeitura, em fazer uma pista descente, não desistimos nunca de evolui pois
aqui mermão somos todos unidos In line, Skatistas, Bikers...somos determinados temos agressividade no
sangue e isso nos difere das outras pessoas.
“Agressive IN LINE é mais que um esporte, quem prova uma vez, prova até a morte.”


Dani vive em Ouro Preto D'Oeste

danny_hellokity@hotmail.com

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------


UM PASSEIO PELA CENA DE CACOAL


Fernando Meloni, nosso colaborador em ação.


Salve, salve simpáticas personas que visitam o IA... Estamos aí novamente para falar um pouquinho da cena rock em Cacoal!Opa, e tem isso em Cacoal?!?!? Hum... Putz ainda bem que rola neh! Então em Cacoal atualmente rola sim uma galera que faz um rock bacana. E diga-se de passagens pelas poucas e boas bandas que saíram daqui Cacoal é considerada um berço de bandas interessantes como as extintas: The Bonnes, Garagem Suburbana, Santo Oficio, CPF Zero Zero, entre outras bandas. No momento quem vier passar um sábado legal na cidade corre o risco de encontra tocando por aqui a galera do Mr Lola, Relicário, Nova Era, DDD 69, Mecânicos entre outras menores que estão nascendo e prometendo busca espaço e mostrar seu trabalho. Poucas são as bandas aqui em nosso município que não possuem um material autoral bem produzido e tocando nas rádios, ressaltando que a maior FM da cidade tem um programa aos domingos só com bandas da cidade (espaço valioso!). Muito diferente do que anda acontecendo em Jipa, em Cacoal você não vê o som punk dos Mecânicos em conflito com o supra-sumo do pop “melody” do Mr Lola (inclusive recentemente as duas bandas fizeram a abertura do show do CPM 22). Outro grande fator de destaque as bandas da capital do café é a forma que conseguem se projetar na cena estadual ou nacional como é o exemplo da banda Mr Lola que está “juntando as malas” para Cuiabá – boa sorte aí pessoal feliz daquele que acredita e luta pelo seu sonho já dizia Chaplin – e a banda Relicário que está com seu 1° CD saindo do forno e com a produção de DVD na agulha e recentemente classificada para participar do SÃO PAULO MUSIC LIVE FESTIVAL organizado anualmente pela TV Guarulhos. Então fico por aqui nobres colegas que mesmo cansados não desistem dessa ingrata batalha que é carregar uma palheta na carteira. Aquele Abraço!

Fernando Meloni
é estudante de Jornalismo em Jipa e Guitarrista da banda Relicário
nando_meloni@hotmail.com

12 de mai de 2008

TA QUERENDO SE INFORMAR SOBRE CULTURA INDEPENDETE?



Está no ar o Portal Fora do Eixo, o maior site de informações sobre o rock independente nacional. Lá você pode encontrar informações, links para os mais diversos sites e blogs ligados ao circuito fora do eixo (inclusive o Vilhena Rock), além de poder ouvir e assistir a Rádio e a TV Fora do Eixo.


Então, está esperando o que? Acesse:



------------------------------------------------------


MACONHA NA RODA


Gostaria de comentar aqui sobre o Ronaldo e seus travestis, ou quem sabe, especular sobre quem matou a Isabella. Mas o assunto que me chamou atenção no último final de semana foi a famigerada Marcha da Maconha. Finalmente algo realmente diferente nas notícias diárias!


Já quero deixar aqui minhas felicitações ao Ministério Público dos estados de SP, RJ, MG, MT, PR, DF, CE, PB e BA por agir tão prontamente contra o direito básico de debater idéias. Estendo os elogios à polícia, que em função de uma aglomeração de “maconheiros”, mostrou todo seu potencial repressivo a quem, por ventura, estivesse próximo aos locais de concentração do grupo que luta pelo direito de se discutir a legalização da maconha... Vou frisar para que fique claro: direito de se discutir o tema.


A menos que os órgãos competentes não tenham sido bem informados (ou não se deram ao trabalho de), mas foi esse o argumento utilizado desde o início pelos organizadores da marcha.


O site do grupo (www.marchadamaconha.org) diz, entre outras coisas, que “a Marcha visa construir espaços onde indivíduos e instituições interessadas em debater a questão possam se articular e dialogar”. Mais claro que isso, impossível.


Pois bem, a cambaleante marcha aconteceu sem adesão e muita polícia. Abalada pelas proibições, a marcha seguiu sem o volume esperado, mas para a alegria dos organizadores, havia câmeras, caros leitores. Muitas delas. Chamadas ao vivo, matérias completas, repórteres enviados aos países onde a droga havia sido descriminalizada etc. Tudo ali, quentinho.


Como rastilho de pólvora, uma agitação repentina nas padarias, nas mesas de almoço e nas dissertações colegiais, a maconha virou o prato principal das conversas entre brasileiros.
Agora pergunto: adiantou proibir a marcha? Será mesmo que a Marcha não alcançou seu objetivo inicial?


As determinações do Ministério Público seriam ridículas, se não fossem preocupantes. Não é a primeira vez que grupos de cidadãos são coagidos por forças públicas. MST, Anarco-Punk e sindicatos são exemplos de movimentos que constantemente são achacados pela força policial.
Mas ao contrário da Legalização da Maconha, as causas não são polêmicas e não merecem a publicidade dispensada aos “maconheiros” rebeldes de algumas capitais brasileiras.


Não me sinto capaz de afirmar, se é benéfico ou não para a sociedade brasileira, ter a maconha legalizada para consumo. Muito embora acredite que, especificamente neste caso, exista uma confusão de critérios - me soa arbitrário dizer que o álcool é menos prejudicial que a maconha, por exemplo.


Porém, como cidadão, me sinto no direito de achar que movimentos pacíficos que se propõem a debater qualquer tema, podem e devem ser ouvidos e respeitados. O Estado democrático deve valorizar a opinião de minorias consideráveis, e não esmagá-las por divergirem dos valores hegemônicos.


Pensem nisso.


Paulo Demétrius Lima Francioli

cursa jornalismo no Mato Grosso do Sul

10 de mai de 2008

E HOJE TEM!!!!


VANGUART ESTE SÁBADO (10) NO ALTAS HORAS!!!

Ele será exibido este sábado, às 00:45, com reprise no domingo pela Multishow.

Não percam!


Novo disco do Vanguart encartado na revista Outracoisa, de volta às bancas de todo país.





VANGUART NA FASE FINAL DO PRÊMIO MULTISHOW!

Vote nos Vangs, na categoria REVELAÇÃO:



-----------------------------------------------------------------------------------------

Espaço Cubo
Mallu Magalhães na Casa Fora do Eixo 10/05
A nova sensação da música brasileira, Mallu Magalhães, se apresenta dia 10 de maio na reinauguração da Casa Fora do Eixo, simplesmente imperdível.E Mais:*Snorks*Vitrolas Polifônicas*Los Bobs8 Reaisa partir das 22hAssista os vídeos da Mallu



8 de mai de 2008

Festival Casarão é destaque em mídia nacional

Di marco no Casarão 2008

A capital Porto Velho foi cenário da imprensa nacional durante aproximadamente uma semana. O Festival Casarão, que ocorreu no período de 30 de abril a 04 de maio, reuniu profissionais de todo o país. Jornalistas de conceituadas mídias como a revista Rolling Stones, revista Trip, jornais Folha de São Paulo, Jornal do Brasil, Urbanaque (SP), Trama Virtual, além de produtores e gravadoras que estiveram presentes nos seminários, workshops e shows durante a semana do rock.

O presidente da Associação Brasileira de Festivais Independentes (ABRAFIN), Fabrício Nobre, falou da importância do Festival Casarão que leva o nome do estado de Rondônia como o maior festival de rock da região Norte. “Rondônia agora engloba a lista dos Festivais brasileiros, isso é muito bom para a cultura do estado”, disse Nobre.O organizador do Festival, Vinicius Lemos, disse que sente orgulho de ter a missão cumprida. “Foi o evento mais cultural e multi-integrado que já vi na música de Rondônia. Tivemos várias tendências, estilos e Estados por aqui, trocando cultura e informação.

O evento trouxe uma nova percepção sobre a nova música brasileira para o público do Casarão, de Porto Velho e de Rondônia. Não é fácil fazer um evento neste nível cultural sem o apoio das secretarias de cultura do Estado. Tivemos também que buscar o apoio do Governo em nível federal para viabilizar verbas, mesmo assim, conseguimos o sucesso, e já pensamos agora na edição do Casarão do ano que vem”, finalizou Lemos.

DI MARCO - O município de Ji-Paraná foi representado pela banda de rock alternativo Di Marco. A banda foi a segunda a subir no palco do Kabanas no domingo (4), atraindo jornalistas, produtores e curiosos para prestigiarem o show da banda Ji-Paranaense. “A banda tem um grande potencial. Foi uma das bandas que mais gostei do Estado de Rondônia, tem grandes chances de emplacar nos festivais a fora” disse a jornalista Carolina Requena, da Revista Rolling Stones (SP).


Mari Paio, Redatora chefe do jornal Correrio Popular

e figura presente na cenário alternativo de Jipa.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Casarão no Amazon Sat


A partir de hoje as matérias sobre o Festival Casarão Ano IX no Amazon Sat. A cobertura foi feita pelo grande Orlando, repórter da emissora amazônica.


Confira:

Programa GALERIA

Hoje (sexta feira), as 20:10 h*

No Amazon Sat (A cara e a voz da Amazônia)

Se você perder não se preocupe: Domingo, às 19:40*, e Quarta-Feira, às 15:40 h, rolam reprises.


*Horário de Rondônia.

Vale lembrar que matérias sobre o Festival Casarão serão veiculadas no Amazon Sat em diversos programas, além do Galeria, terá o Zappeando (programa mais antenado da região) e Amazônia Agora. Sempre com focos diferentes, dando uma cobertura legal deste festival que com certeza foi um dos melhores realizados no estado até agora.


Assistam aê. Quem sabe vc não aparece por lá...


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sinal de Vida?


O Rock in Rua irá completar 20 anos de existência em 2008 e se consolida como um dos festivais mais tradicionais do estado. O fato curioso é que a maioria do público médio do RiR sequer havia nascido quando foi realizada a primeira edição do mesmo. Entretanto, mesmo com essa “idade”, o festival ainda não é devidamente reconhecido, até mesmo dentro do estado de Rondônia. Já vieram bandas de Ji-Paraná, Porto Velho e Cacoal, e várias outras que são de outros estados brasileiros se interessaram a vir, mas não tiveram condições.

Como em qualquer festival várias bandas locais “surgem e acabam” apenas com o intuito de tocar nele, não que isso seja exclusividade do interior, o que demonstra a sua importância como evento, mas não consolida uma cena forte de bandas em Vilhena, cujo o forte são os eventos, e não o contrário (onde bandas puxariam a cena). Para se ter uma idéia: de 2003 para cá somente uma banda se apresentou em todas as edições, enquanto outras se desmanchavam assim que tocavam no festival.

Com o público médio de aproximadamente 1.500 pessoas por evento o Rock in Rua é com certeza o maior festival do sul do estado e, cabe dizer, isso apenas com bandas locais e regionais se apresentando, sempre em espaço público, diga-se de passagem.

A organização do festival pretende fazer um festival que honre os vinte anos dessa iniciativa. No ORKUT já tem um tópico para responder dúvidas referentes ao festival, inclusive de como será feita a seleção de bandas para o evento.

A previsão é de que o festival seja realizado na segunda quinzena do mês de julho. Acompanhe as novidades sobre o Rock in Rua aqui, na comunidade do evento.


João Carlos Regert Neto – “Nettü Regert”

baixista da banda ENMOU, coletivo Vilhena Rock e pai nas horas vagas.


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ERRATA: No texto sobre o Rock na ON LINE, nosso caro amigo Fernando Meloni esqueceu de comentar que a banda UrbanóId's ( ) também se apresentou nessa mesma noite.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6 de mai de 2008

ROCK NA ON LINE - Ji-Paraná



No ultimo sábado dia 03, houve uma movimentação bacana na ON LINE com as bandas

Tatudikixuti e Relicário.

O evento foi organizado por Rafael Frajola vocalista da banda Tatudikixuti na intenção de

oferecer um show de rock para os amantes da classe que não puderam comparecer a edição

do Casarão (maior festival de bandas independentes do estado).

A noite de rock na on line iniciou-se por volta das 23 horas com um show muito animado da

Tatudikixuti e com varias participações de ex-integrantes da banda jiparanaense e alguns

amigos/músicos convidados e encerrou com uma apresentação da banda Relicário no qual

apresentou seu repertório que em breve (muito em breve) será lançado em seu primeiro CD.

Segundo Frajola a movimentação valeu a pena tanto na oportunidade de bandas locais

mostrarem seu trabalho autoral, quanto para os simpatizantes de rock ‘n roll local terem

uma opção de lazer no sábado à noite, frisou o vocalista.

Fernando Meloni - é Guitarrista da banda Relicário
nando_meloni@hotmail.com