15 de set de 2010

Compacto.REC lança segundo EP da banda Monograma

Há mais de 4 anos a banda mineira Monograma surgiu e virou a personagem principal na vida de quatro amigos com muitas afinidades musicais, que descobriram o prazer de compor e não pararam mais. Esse mês, a Monograma é a protagonista da edição de Setembro do Compacto.Rec, “Da Tempestade à Calmaria”. O seu lançamento físico está previsto para Novembro. Composto pelas faixas "Tempestade”, “Querido Amigo”, “Nus Amamos”, “Alento” e “Calmaria”, esse disco traz letras que abordam diversas fases de relacionamentos como a saudade, desentendimentos e reconciliação, em meio a melodias inspiradas.

A BANDA
Impulsionados uns pelos outros, Guilherme Lopes (guitarra e voz), Leonardo Eugênio (baixo e voz), Diego Castro (bateria) e Ícaro Eugênio (guitarra e voz) lançaram, em maio de 2009, o primeiro EP da Monograma: o “Conto do faz de conta”, cujas composições correspondiam a diversos capítulos de uma mesma história.
O lançamento virtual desse segundo EP, “Da Tempestade à Calmaria”, traz as novas músicas do repertório dos shows que estão sendo realizados ao longo do Circuito Mineiro de Festivais e conquistando receptividade das mídias locais.

COMPACTO.REC

O Compacto.REC é um projeto que teve início em 2007, com o objetivo de lançar singles virtuais em rede, através dos veículos de comunicação integrados ao Circuito Fora do Eixo. A primeira banda lançada foi Madame Saatan (PA). Na seqüência, vieram artistas de todas as regiões do país, como as elogiadas Bang Bang Babies (GO) e Filomedusa (AC). Em agosto de 2009, o projeto foi retomado com o lançamento de "A Passeio", segundo álbum do Porcas Borboletas (MG). Na sequência, vieram álbuns virtuais de Boddah Diciro (TO), Rinoceronte (RS), Linha Dura (MT), Johnny Suxxx 'n' The Fucking Boys (GO), Nevilton (PR), Uganga (MG), Coletânea Grito Rock América do Sul 2010, Leptospirose (SP) e, recentemente, Jair Naves (SP).
Com a liberação dos fonogramas para downloads, o projeto alinha uma iniciativa de trocas para remunerar o autor do trabalho em um sistema de economia solidária, pautado na oferta de serviços e produtos integrados ao Circuito Fora do Eixo. E como reconhecimento da iniciativa, a ação foi contemplada recentemente no edital Bolsa Funarte de Reflexão Crítica e Produção Cultural para Internet. Baixe o disco: http://compactorec.foradoeixo.org.br

14 de set de 2010

VEM AI FESTIVAL PORAQUÊ


Na última semana foram divulgados os projetos contemplados pelo edital Micropontos de Cultura/Amazônia Legal. Dentre eles – depois de muitos planos, torcida, cigarros e cervejas – nossa proposta foi aprovada.

Com objetivo de promover a cena do rock alternativo em Rondônia, meta que, a princípio, parece um tanto quanto vaga, mas na verdade, o Festival Poraquê será o auge de um trabalho coletivo feito há três anos entre músicos e organizadores de eventos do interior de Rondônia.

Através de parcerias com grupos que atuam da mesma forma em outros lugares do país (Fora do Eixo, parceiros de Porto Velho, Acre, Cuiabá Cacoal, Vilhena, Ouro Preto e ex-membros do nosso grupo), é que o coletivo Interior Alternativo irá trazer atrações da cena independente nacional para Ji-Paraná.

Além de atrações musicais do estado, workshops, apresentação de malabares e grafite serão algumas das atrações promovidas.

Justamente por esse contato com público e com a cena independente, é que o Festival Poraquê tem tamanha importância para a cena do rock alternativo no estado de Rondônia.

É certo que, de agora em diante, finalmente poderemos organizar nosso tão esperado festival. Discussões que antes pareciam devaneios, hoje, se tornaram uma real possibilidade. Muitas tretas vêm aí: Patrocínios (sim, estamos aceitando), parcerias, criação de mídias, sondagem de bandas, bar, segurança, releases, hotéis, etc etc etc.

Diante disso tudo, arriscamos a dizer, que o sucesso do Poraquê será um divisor de águas para a cena independente do Estado.

Pensamos grande. Teremos estrutura, bons headlines, ambiente seguro, cerveja geladinha, som de qualidade e muita - mas muita - vontade de fazer acontecer.

Agradecemos os parabéns dos amigos e parceiros, e contamos com vocês para prestigiarem mais essa dura (e divertida) empreitada do Interior Alternativo.

Obrigado

*Lembramos que as datas e o setlist serão divulgadas em breve.

Anunciado o resultado do Edital Microprojetos Mais Cultura na Amazônia Legal

Serão destinados R$ 13,7 milhões para financiar 928 projetos culturais da região

Veja a relação dos contemplados

Foi publicada na quinta-feira (9) a relação de classificados do programa Microprojetos Mais Cultura na Amazônia Legal. Foram selecionados 928 projetos de artistas, grupos artísticos independentes e produtores culturais da região amazônica, que receberão, no total, um investimento de R$ 13,7 milhões. O programa é uma parceria entre a Fundação Nacional de Artes (Funarte) e a Secretaria de Articulação Institucional (SAI) do Ministério da Cultura.

O Microprojetos na Amazônia Legal a recebeu 2.706 propostas e superou as expectativas, devido ao grande número de projetos selecionados. A meta inicial era atender cerca de 770 iniciativas por meio de financiamento não-reembolsável. Porém, muitos projetos não atingiram o teto de 35 salários mínimos, valor máximo estabelecido no edital. Assim, foi possível ampliar o número de beneficiados, selecionando projetos de todos os nove estados da região amazônica: 37 do Acre, 15 do Amapá, 91 do Amazonas, 198 do Maranhão, 166 do Mato Grosso, 175 do Pará, 58 de Rondônia, 29 de Roraima e 159 do Tocantins. Os 37 projetos do Acre vão receber cerca de R$ 500 mil.

Mais cultura
Ação do Programa Mais Cultura, com o apoio dos governos estaduais da região amazônica, o edital Microprojetos para Amazônia Legal visa a fortalecer e apoiar a diversidade cultural da região. As propostas contempladas têm como beneficiários ou proponentes jovens entre 17 e 29 anos que residem na área. O resultado do Microprojetos Mais Cultura na Amazônia Legal foi anunciado pelo ministro da Cultura, Juca Ferreira, na quarta-feira, 1º de setembro, em Rio Branco (AC), em evento para assinatura de acordo entre o Ministério da Cultura e a Associação de Cultura e Meio Ambiente (ACMA). A parceria criou o Centro de Cultura da Floresta, que irá beneficiar os povoados da etnia Ashaninka na região e os da reserva da bacia do Alto Juruá.

Fonte: Funart